Animais, meio ambiente e vegetarianismo

Você já parou pra pensar sobre a sustentabilidade da agricultura? Já refletiu sobre o argumento de que o vegetarianismo protege o meio ambiente? Muitos de nós não têm noção do impacto da agricultura no ecossistema.

A soja e o mito de uma escolha mais sustentável

Existem vantagens para a criação de gado mesmo em terras que poderiam ser usadas para a agricultura.

  • Animais criados em campos fertilizam o solo naturalmente, com pouca ou nenhuma necessidade para uso de fertilizantes artificiais e inorgânicos. Toneladas de fertilizante com nitrato, que cada vez mais se infiltram em grande quantidades nos nossos rios, não são usados primariamente para a produção de carne, mas sim para a produção de cereais e plantações.
  • Com a criação de gado, os campos são normalmente pequenos e cercados por mato. O bom fazendeiro tende a manter o mato para proteger seus animais do calor e do sol de verão. A margem dos campos, árvores e sebe fornecem um habitat natural para pequenos animais como insetos e flores selvagens.
  • A agricultura arável em grande escala demanda grandes campos abertos. Em tais fazendas são eliminadas as árvores, sebe e mato causando danos ao ecossistema local. Milhares de quilômetros de floresta foram desmatados neste século. As pessoas se queixam do desmatamento e que milhares de plantas e animais estão entrando em extinção – este fato leva muitas pessoas a seguir o vegetarianismo, sem saber que estão contribuindo para o aumento do desmatamento
  • Ameaça às espécies – o aumento da produção de soja, e grãos (trigo, arroz) demanda mais terras a serem cultivadas, o que resulta na destruição do meio ambiente. O vegetarianismo, que promove o consumo desses alimentos não saudáveis inevitavelmente acelera o desmatamento. 

A sociedade como um todo deveria simpatizar e concordar com os direitos dos animais e instituições que promovem o direito dos animais, que deveriam estar pastando nos campos, ao invés de estarem confinados em ambientes fechados, ou criados em áreas que  não são cercadas por florestas e sebe, para que o ecossistema local mantenha-se preservado. Ao invés disso, estas áreas são usadas para produzir soja, que alimenta os animais, o que demanda mais terreno para ser desmatado, além de inevitavelmente levar a destruição do solo, que como conseqüência destrói a vida local. Não obstante, a qualidade da carne consumida é diminuída e o animal paga por isso.

Os ocidentais vegetarianos atualmente se situam em uma posição social e educacional privilegiada, cabe a nós informá-los quanto aos perigos a saúde e ao meio ambiente.  Estas pessoas podem ter motivos nobres, porém a falta de informação por meios errados levam-nas a adotar esse estilo de vida ingênuo.

O que é errado para um é errado para todos.

Referências

Crawford M., Crawford S.. What We Eat Today . Spearman, London, 1972.

Hawkes J. G.. The Hunting Hypothesis . In: Ardrey R., ed. The Hunting Hypothesis . Collins, London

%d blogueiros gostam disto: