Vídeo: O problema da pirâmide alimentar

Mais um vídeo – eu não me canso deles! Acho que são uma maneira rápida de aprender conceitos fundamentais sobre um estilo de vida mais saudável.

Gary Taubes é o autor de Nobel Dreams (1987), (Sonhos Nobel) Bad Science: The Short Life and Weird Times of Cold Fusion (1993) (Ciência Ruim: A vida curta e tempos estranhos de fusão fria) e Good Calories, Bad Calories (2007) (Calorias Boas, Calorias Más), com o subtítulo de The Diet Delusion (2008) (A ilusão das dietas) no Reino Unido e na Austrália. Seu livroWhy We Get Fat: And What to Do About It (Porque engordamos: e o que fazer sobre isso) foi lançado em dezembro de 2010.

Nesta entrevista na rede de TV ABC, ele explica como a pirâmide alimentar foi desenvolvida por advogados, ao invés de médicos, nutricionistas e profissionais da saúde, com o objetivo de fortalecer a indústria da agricultura, que é subsidiada pelo governo. Além disso, esclarece os motivos pelos quais a sociedade está se tornando cada vez mais obesa e menos saudável.

Para ver o vídeo com as legendas em português que nós fizemos, clique em CC.

Enjoy!

A nova pirâmide Primal

Este post saiu quinta- feira no site MarksDailyApple, e resolvi compartilhar com vocês porque achei muito esclarecedor.

Apresentando a nova pirâmide alimentar Primal Blueprint

A antiga pirâmide estava funcionando bem. A sua mensagem básica – coma bastante plantas e animais – ainda é a minha mensagem básica, mas será que é suficiente? Não para mim. Eu quero (e espero) simplicidade e sucintividade, ambos presentes na antiga pirâmide, mas eu também quero clareza e passar a mensagem certa. A antiga pirâmide deixava muitos tópicos a serem decifrados pelos leitores, e eu achei que poderia melhorá-la. Com a nova pirâmide, eu incluí estas e outras preocupações.

Bom, antes de explicar as diferenças, vamos dar uma olhada nas duas para que você mesmo possa ver.

Aqui está a antiga pirâmide.

Traduzindo de cima para baixo:

1) Ervas, temperos, pimentas, extratos e suplementos

2) Nozes, manteiga de nozes, sementes, gorduras e óleos aprovados

3) Carne, peixes, aves, ovos. Melhor optar pelos orgânicos. Grande parte das calorias.

4) Vegetais e frutas. Orgânicos e/ou produzidos localmente. Grande parte das refeições e dos nutrientes.

Aqui está a nova pirâmide.

Traduzindo de cima para baixo:

1) Ervas, pimentas e extratos. Alto anti-oxidante/valor nutricional.

 Indulgências: Vinho tinto e chocolate amargo.

Suplementos: Multivitamínicos e minerais, Omega 3, probióticos e proteína em pó.

2) Com moderação:

Frutas: Produzidas localmente, da estação e com alto teor de anti-oxidantes (berries como morangos, mirtillo, framboesa, açaí, etc. e frutas sem caroço, como maçã, pera, laranjas etc.)

Derivados do leite com alto teor de gordura. Cru, fermentado e não pasteurizado.

Tubérculos e arroz selvagem: Opção de carboidratos para atletas.

Outras nozes, sementes e manteigas de nozes: Boa opção para lanches.

3) Gorduras saudáveis

Gorduras animais, manteiga e óleo de coco (para cozinhar)

Abacate, produtos do coco, azeitonas e azeite de oliva, macadâmias (para consumir)

4) Vegetais

Produzidos localmente e/ou orgânicos. Porções abundantes com sabor, nutrientes e anti-oxidantes.

5) Carne, peixe, aves e ovos

A maioria das calorias da dieta: gordura saturada (energia, sacia as células e melhora o funcionamento hormonal) e proteína (constrói massa muscular). Ênfase nas carnes orgânicas, alimentadas a pasto e certificadas. 

A mudança mais notável foi ter colocado as carnes/peixes/aves/ovos na base da dieta. Na verdade, não é uma mudança tão grande pois eu sempre sugeri que os produtos animais deveriam compor a maioria das calorias, mas agora fica mais claro. Antes, eu sempre tinha que explicar que sim, os vegetais geralmente aparecem em maior quantidade na sua dieta, mas não, eles provavelmente não vão ser a maior quantidade de calorias que você ingere. O reposicionamento das duas seções deixa isto mais claro e menos confuso.

Eu inclui uma seção totalmente nova: “Com moderação”. Eu pensei nisso pois certos alimentos mudaram ao longo dos anos, e isso é o que eu entendo desta mudança. As frutas, um método maravilhoso de distribuição de sementes realizado pelas plantas, o que me deixa muito feliz, podem não ser certas para todas as pessoas em quantidades ilimitadas. Fontes densas de carboidratos, como tubérculos e arroz selvagem, embora valham a pena serem limitadas e evitadas por aqueles que querem perder peso, podem ser úteis nas situações certas. Derivados do leite também é um item que muitos consideram extremamente útil (e gostoso), e eu percebi que nozes/manteiga de nozes/óleo de nozes não são como outras fontes de gordura, e que a moderação é algo prudente.

Você também vai notar que eu inclui mais sub-seções. Então, ao invés de frutas e vegetais (incluindo os tubérculos e raízes, claro) ficarem juntos, eu separei-os. Por quê? Bem, uma fruta não é um vegetal nem uma batata. Todos eles dependem da fotossíntese, folhas, água, barro, um solo cheio de nutrientes e os cuidados da mãe natureza ou de algum fazendeiro, mas eles tem diferentes efeitos no seu metabolismo e na sua saúde. Na outra pirâmide, o arroz é um grão (e por isso não é permitido) e a batata doce, um vegetal, mas a nova pirâmide admite que eles tem mais são mais similares do que diferentes. Para atletas buscando aumentar seu consumo de carboidratos, ambos são uma boa opção. A antiga pirâmide não deixava isso claro, enquanto a nova classificação torna isso óbvio.

Eu também sacrifiquei ser breve pela clareza. Considere o que a antiga pirâmide dizia: “Gorduras e óleos aprovados”. Olha, não tem nada de errado nisso e eu ainda defendo que você deva comer apenas os “óleos e gorduras aprovados”. Mas qual é um exemplo de uma gordura ou óleo aprovado? Você pode saber de cor, mas e a pessoa que acabou de conhecer isto? A pirâmide não é só para as pessoas que conseguem recitar uma lista de todas as gorduras animais, classificadas pelo conteúdo de omega 6 em cada uma delas. Ela também é para as pessoas que ainda tem um pote de margarina na sua geladeira. E para estas pessoas, para os iniciantes ( e para os curiosos que querem uma ideia rápida do que é o Primal Blueprint sem ter que ler livros ou blogs), dar uma ideia geral do que significa “óleos e gorduras aprovados” ajuda bastante.

Eu também incluí uma boa dose de “por quês” junto com os ” o quês” e os “quais”. Veja, a pirâmide do Primal Blueprint é um grande meio para a introdução das pessoas nesta dieta. E estas pessoas querem uma justificativa. Elas não querem apenas receber regras ou receitas médicas que não entendem, sem saber por que estão recebendo isto. Especialmente quando falamos para que elas comam a maior parte de suas calorias de produtos animais. Quer dizer, esta pode ser a primeira vez na vida que elas ouviram o termo “gordura saturada”, sem a parte de “entupir suas artérias” logo em seguida. Nós temos que dar algumas explicações, não podemos apenas jogar as informações nas pessoas e assumir que elas tem o conhecimento da ciência moderna sobre gordura saturada.

Eu inclui as Indulgências porque eu percebi que elas não eram tão opcionais. E não é só porque eu queira justificar meu próprio vinho tinto e chocolate amargo. Eles são, na verdade, partes cruciais do Primal Blueprint, e na minha experiência lidando com milhares de pessoas ao longo dos anos, eu aprendi que chocolate amargo e vinho tinto (entre outros) são geralmente o que fazer seguir o PB uma escolha realista e sustentável, em alternativa à sabedoria convencional.

Com tudo isso dito, a pirâmide é essencialmente a mesma. O foco ainda está na importância em comer alimentos reais. Grãos, óleos vegetais e açúcar ainda são muito condenados. Os nutricionistas em geral ainda vão odiar esta dieta (bem, eles vão odiar mais ainda!). O pensamento está mais refinado, mas isso só significa que está melhor.

Se eu não deixei claro ainda, eu estou sempre aberto a refinar a nova pirâmide, seja porque ela esteja mais confundindo do que ajudando, ou porque novas pesquisas indiquem que mudanças devem ser feitas. Obrigada por lerem.

%d blogueiros gostam disto: