Vídeo: O problema dos grãos

Mais um vídeo muito bom! Nesta entrevista com Mark Sisson, ele fala sobre o problema dos grãos, como estão relacionados à doenças como a síndrome do intestino solto, e como prejudicam nossa saúde, dificultando a absorção de cálcio e causando doenças inflamatórias. É bem rápido e vale a pena assistir!

* Para legendas em português feitas por nós, clique em CC.

 

Anúncios

Artigo da Semana: Como a agricultura arruinou sua saúde (e o que fazer quanto a isso)

Esta seção é dedicada à tradução de artigos relacionados ao estilo de vida primal. É direcionada para aqueles que querem saber um pouco mais sobre o assunto e desejam se aprofundar em alguns aspectos específicos. Se você acabou de conhecer o blog, clique aqui.

Você está acima do peso. Me desculpe por ser tão direto, mas provavelmente é verdade: a maioria dos adultos vivendo em países ocidentais está acima do peso. Grande parte deles são obesos.

Metade de vocês está tomando, pelo menos, um remédio prescrito. Metade dos idosos toma, pelo menos, três. Você pode não estar tomando nada, mas você conhece alguém que está.

Isso soa normal? Quero dizer, doenças crônicas perpétuas e obesidade são o estado normal de existência para nós? Nossa constituição é tão falha que não conseguimos nos manter vivos sem pílulas e médicos?

Não. Absolutamente não. Não foi sempre assim, vocês sabiam?

A primeira grande virada aconteceu com a Revolução da Agricultura. Por volta de 10.000 anos atrás, quando os antigos caçadores-coletores começaram a plantar sementes, em fileiras organizadas, algo aconteceu. A população explodiu, pois agora nós tínhamos uma fonte estável de calorias. Vilas e cidades de expandiram, porque nós não precisávamos mais ir atrás de nossa comida. Nós podíamos apenas planta-la onde vivíamos.

Essas coisas soam como boas, certo? Mais abrigo e comida soa bem, não soa?

Bem, outra coisa aconteceu, também. Aqueles primeiros agricultores eram menores do que os antigos caçadores-coletores que eles substituíram. Eles não viviam por tanto tempo e tinham cérebros menores. Eles tinham muito mais doenças infecciosas e cáries. Resumindo, eles não eram tão saudáveis quanto os caçadores-coletores. Mesmos genes, mesmos Homo sapiens, ambiente diferente e saúde pior.

Mas espera aí – grãos integrais são supostamente saudáveis. Qualquer instituição do governo recomenda que os grãos integrais sejam grande parte da nossa dieta. Como podem os grãos e a agricultura terem causado todos aqueles problemas de saúde aos nossos ancestrais?

O grande problema dos grãos é que eles não ligam para você. Pense sobre isso: um grão é uma planta bebê. Ou um ovo de trigo, se você preferir. Para que este trigo possa passar a diante os seus genes, este grão precisa chegar até o chão, germinar e crescer para repetir o processo. Assim como a galinha precisa proteger seus ovos e mantê-los quentes até que se rompam, o grão precisa de maneiras para se manter protegido durante este processo e impedir que outros animais o comam.

Infelizmente para o grão, ele não tem pernas, dentes, asas ou garras. Ele não pode lutar. Ele não pode correr dos predadores. Ele parece indefeso, parado como um punhado de trigo.

Os grãos são tudo, menos indefesos. Eles têm uma série de defesas químicas, incluindo várias lectinas, glúten e ácido fítico, que desordenam sua digestão, causam inflamação e te impedem de absorver nutrientes e minerais que são vitais.

Todos os grãos contém alguns ou todos esses antinutrientes, em diversos níveis, então, quando nossos ancestrais começaram a fazer refeições regulares à base de grãos, a sua saúde sofreu com isso.

Ok – então nós temos os registros fósseis para provar que a agricultura dos grãos trouxe doenças e saúde inferior para a população humana, mas nós não sabemos se estes primeiros fazendeiros eram obesos. Eles provavelmente não eram. Mesmo se você olhar para as fotos dos americanos na década de 30 até a década de 60, quase todo mundo é magro. Como isso é possível?

Vamos continuar.

 Isso me leva à segunda virada: o final dos anos 70. Até aquela época, as taxas de obesidade nos EUA tinha se mantido constante, por volta dos 12% da população adulta. Não era ótima, mas não tão ruim para uma sociedade com acesso fácil à comida.

No começo dos anos 80, as coisas mudaram. As taxas de obesidade começaram a subir constante e consistentemente até hoje, onde quase 30% da população adulta é obesa e 70% está acima do peso e/ou é obesa. 1 em cada 3 adultos são obesos. Mais de 2 em cada 3 estão acima do peso. Isso parece certo?

O que mudou?

A propaganda da dieta baixa em gordura começou. Foi dito às pessoas que a gordura e o colesterol estava matando-as (baseado em ciência ruim) e as tornando mais gordas.

Então, para evitar toda essa gordura, eles começaram a comer mais grãos, carboidratos e outros alimentos processados com baixa gordura.

A outra coisa sobre os grãos (e carboidratos em geral) é que eles elevam os níveis de insulina do seu corpo. A insulina é necessária para transportar nutrientes, como carboidratos e proteína, para as várias células do corpo. Você come carboidratos e a insulina lida com eles. Mas, se você comer muitos carboidratos – como, por exemplo, uma pessoa que sempre ouviu que nunca deveria comer gordura e que poderia comer o quanto quisesse de grãos e produtos processados, com pouca gordura e muito açúcar – sem se exercitar insanamente, o seu corpo libera insulina em excesso e você se torna resistente à insulina.

Quando você é resistente à insulina, qualquer quantidade de carboidrato é intolerável. Ele vai virar gordura corporal e quanto mais gordura corporal você tem, mais resistente à insulina você se torna. Quanto mais resistente à insulina você é, menos nutrientes são transportados para as suas células, significando que você continua com fome, mesmo quando está comendo, então, você come mais carboidratos que você não consegue tolerar. É um ciclo vicioso, como você pode ver, e nos leva à bagunça em que vivemos hoje.

Para piorar ainda mais as coisas, a maior parte dos carboidratos que estamos consumindo hoje vem na forma de açúcar, ou ainda de uma fonte mais barata e popular, o xarope de milho, rico em frutose. Ambas as formas de açúcar são ricas em frutose, que o fígado transforma em glicogênio, um tipo de energia baseada em carboidratos, até que as reservas de glicogênio estejam cheias. Estas reservas de glicogênio se enchem rápido, já que a maioria das pessoas não estou usando o glicogênio (o que é meio difícil de fazer quando você tem que trabalhar em um escritório e fica preso no trânsito o dia todo), essa frutose se torna gordura no fígado.

Juntas, a dieta rica em açúcar e grãos refinados e a dieta baixa em gorduras, se tornaram a população obesa e doente que vemos hoje. A boa notícia é que resolver o problema – pelo menos em nível individual – é fácil.

Tudo o que você tem que fazer é seguir a lei número 9 do Primal Blueprint: evitar coisas venenosas. Aquelas toxinas que os grãos utilizam para se defender? Estes são os venenos que você deveria parar de comer.

Então, livre-se dos grãos. Aqui você vê como. Livre-se do pão. Reduza seu consumo geral de carboidratos. (Veja aqui a curva de carboidratos). Mesmo se você não está acima do peso, eu garanto que você vai se sentir melhor sem este veneno na sua vida.

P.S. Você sabe o que não deve comer e porque não deve comer. Mas o que você deve comer? Veja aqui.

Este artigo é uma tradução de um newsletter enviado por Mark Sisson, no mês de dezembro de 2011.

Vídeo: Abandone todos os grãos, coma mais gordura

Mais um vídeo que traduzimos para o blog! Este é um programa de TV com o Mark Sisson, autor do Primal Blueprint. É rápido mas informativo. Divirtam-se!

A nova pirâmide Primal

Este post saiu quinta- feira no site MarksDailyApple, e resolvi compartilhar com vocês porque achei muito esclarecedor.

Apresentando a nova pirâmide alimentar Primal Blueprint

A antiga pirâmide estava funcionando bem. A sua mensagem básica – coma bastante plantas e animais – ainda é a minha mensagem básica, mas será que é suficiente? Não para mim. Eu quero (e espero) simplicidade e sucintividade, ambos presentes na antiga pirâmide, mas eu também quero clareza e passar a mensagem certa. A antiga pirâmide deixava muitos tópicos a serem decifrados pelos leitores, e eu achei que poderia melhorá-la. Com a nova pirâmide, eu incluí estas e outras preocupações.

Bom, antes de explicar as diferenças, vamos dar uma olhada nas duas para que você mesmo possa ver.

Aqui está a antiga pirâmide.

Traduzindo de cima para baixo:

1) Ervas, temperos, pimentas, extratos e suplementos

2) Nozes, manteiga de nozes, sementes, gorduras e óleos aprovados

3) Carne, peixes, aves, ovos. Melhor optar pelos orgânicos. Grande parte das calorias.

4) Vegetais e frutas. Orgânicos e/ou produzidos localmente. Grande parte das refeições e dos nutrientes.

Aqui está a nova pirâmide.

Traduzindo de cima para baixo:

1) Ervas, pimentas e extratos. Alto anti-oxidante/valor nutricional.

 Indulgências: Vinho tinto e chocolate amargo.

Suplementos: Multivitamínicos e minerais, Omega 3, probióticos e proteína em pó.

2) Com moderação:

Frutas: Produzidas localmente, da estação e com alto teor de anti-oxidantes (berries como morangos, mirtillo, framboesa, açaí, etc. e frutas sem caroço, como maçã, pera, laranjas etc.)

Derivados do leite com alto teor de gordura. Cru, fermentado e não pasteurizado.

Tubérculos e arroz selvagem: Opção de carboidratos para atletas.

Outras nozes, sementes e manteigas de nozes: Boa opção para lanches.

3) Gorduras saudáveis

Gorduras animais, manteiga e óleo de coco (para cozinhar)

Abacate, produtos do coco, azeitonas e azeite de oliva, macadâmias (para consumir)

4) Vegetais

Produzidos localmente e/ou orgânicos. Porções abundantes com sabor, nutrientes e anti-oxidantes.

5) Carne, peixe, aves e ovos

A maioria das calorias da dieta: gordura saturada (energia, sacia as células e melhora o funcionamento hormonal) e proteína (constrói massa muscular). Ênfase nas carnes orgânicas, alimentadas a pasto e certificadas. 

A mudança mais notável foi ter colocado as carnes/peixes/aves/ovos na base da dieta. Na verdade, não é uma mudança tão grande pois eu sempre sugeri que os produtos animais deveriam compor a maioria das calorias, mas agora fica mais claro. Antes, eu sempre tinha que explicar que sim, os vegetais geralmente aparecem em maior quantidade na sua dieta, mas não, eles provavelmente não vão ser a maior quantidade de calorias que você ingere. O reposicionamento das duas seções deixa isto mais claro e menos confuso.

Eu inclui uma seção totalmente nova: “Com moderação”. Eu pensei nisso pois certos alimentos mudaram ao longo dos anos, e isso é o que eu entendo desta mudança. As frutas, um método maravilhoso de distribuição de sementes realizado pelas plantas, o que me deixa muito feliz, podem não ser certas para todas as pessoas em quantidades ilimitadas. Fontes densas de carboidratos, como tubérculos e arroz selvagem, embora valham a pena serem limitadas e evitadas por aqueles que querem perder peso, podem ser úteis nas situações certas. Derivados do leite também é um item que muitos consideram extremamente útil (e gostoso), e eu percebi que nozes/manteiga de nozes/óleo de nozes não são como outras fontes de gordura, e que a moderação é algo prudente.

Você também vai notar que eu inclui mais sub-seções. Então, ao invés de frutas e vegetais (incluindo os tubérculos e raízes, claro) ficarem juntos, eu separei-os. Por quê? Bem, uma fruta não é um vegetal nem uma batata. Todos eles dependem da fotossíntese, folhas, água, barro, um solo cheio de nutrientes e os cuidados da mãe natureza ou de algum fazendeiro, mas eles tem diferentes efeitos no seu metabolismo e na sua saúde. Na outra pirâmide, o arroz é um grão (e por isso não é permitido) e a batata doce, um vegetal, mas a nova pirâmide admite que eles tem mais são mais similares do que diferentes. Para atletas buscando aumentar seu consumo de carboidratos, ambos são uma boa opção. A antiga pirâmide não deixava isso claro, enquanto a nova classificação torna isso óbvio.

Eu também sacrifiquei ser breve pela clareza. Considere o que a antiga pirâmide dizia: “Gorduras e óleos aprovados”. Olha, não tem nada de errado nisso e eu ainda defendo que você deva comer apenas os “óleos e gorduras aprovados”. Mas qual é um exemplo de uma gordura ou óleo aprovado? Você pode saber de cor, mas e a pessoa que acabou de conhecer isto? A pirâmide não é só para as pessoas que conseguem recitar uma lista de todas as gorduras animais, classificadas pelo conteúdo de omega 6 em cada uma delas. Ela também é para as pessoas que ainda tem um pote de margarina na sua geladeira. E para estas pessoas, para os iniciantes ( e para os curiosos que querem uma ideia rápida do que é o Primal Blueprint sem ter que ler livros ou blogs), dar uma ideia geral do que significa “óleos e gorduras aprovados” ajuda bastante.

Eu também incluí uma boa dose de “por quês” junto com os ” o quês” e os “quais”. Veja, a pirâmide do Primal Blueprint é um grande meio para a introdução das pessoas nesta dieta. E estas pessoas querem uma justificativa. Elas não querem apenas receber regras ou receitas médicas que não entendem, sem saber por que estão recebendo isto. Especialmente quando falamos para que elas comam a maior parte de suas calorias de produtos animais. Quer dizer, esta pode ser a primeira vez na vida que elas ouviram o termo “gordura saturada”, sem a parte de “entupir suas artérias” logo em seguida. Nós temos que dar algumas explicações, não podemos apenas jogar as informações nas pessoas e assumir que elas tem o conhecimento da ciência moderna sobre gordura saturada.

Eu inclui as Indulgências porque eu percebi que elas não eram tão opcionais. E não é só porque eu queira justificar meu próprio vinho tinto e chocolate amargo. Eles são, na verdade, partes cruciais do Primal Blueprint, e na minha experiência lidando com milhares de pessoas ao longo dos anos, eu aprendi que chocolate amargo e vinho tinto (entre outros) são geralmente o que fazer seguir o PB uma escolha realista e sustentável, em alternativa à sabedoria convencional.

Com tudo isso dito, a pirâmide é essencialmente a mesma. O foco ainda está na importância em comer alimentos reais. Grãos, óleos vegetais e açúcar ainda são muito condenados. Os nutricionistas em geral ainda vão odiar esta dieta (bem, eles vão odiar mais ainda!). O pensamento está mais refinado, mas isso só significa que está melhor.

Se eu não deixei claro ainda, eu estou sempre aberto a refinar a nova pirâmide, seja porque ela esteja mais confundindo do que ajudando, ou porque novas pesquisas indiquem que mudanças devem ser feitas. Obrigada por lerem.

Vale a pena conhecer…

Estes são alguns dos defensores da dieta Primal, bastante conhecidos nos EUA.  Achei que seria interessante apresentá-los à vocês…

Mark Sisson

Biólogo e criador do site Mark Daily Apple, o site Primal mais visitado dos EUA.

Escreveu o livro Primal Blueprint e recentemente, o 21 day – total body transformation, ambos podem ser comprados clicando aqui ou clicando nas imagens na barra lateral do nosso blog. Uma pessoa excepcional pela sua história de determinação e superação.

Segue um pouco da sua história contada por ele mesmo:

 Minha mãe sempre esteve interessada em alcançar plena saúde por meio de nutrição, então desde pequeno eu comecei a devorar livros sobre nutrição e saúde. Eu era um excelente atleta de cross-country e eventos de longa distancia  no colégio e na faculdade de Williams, onde recebi meu diploma de biologia. De fato minha performance como corredor estava indo tão bem depois da faculdade, que eu decidi postergar meu início da faculdade de medicina e me concentrar na carreira de corredor. Eu treinei seriamente para a maratona por mais 5 anos, atingindo facilmente a marca de 160 km por semana de treino. O esforço fez com que eu chegasse entre os 5 primeiros na Maratona Nacional dos EUA e em um lugar garantido para as Olimpíadas de 1980 nos EUA. Infelizmente, nessa época, devido ao meu esforço sobrehumano em quantidades imensas de treino, eu acabei ficando doente e lesionado. (Nota: muito exercício não é bom). De fato, em meu ultimo ano de competição como um atleta de classe mundial e extremamente “fit” eu passei por 8 infeccoes respiratórias! Claramente eu estava destruindo meu sistema imunológico, meus tendões e ligamentos fazendo tantos exercícios. Foi a partir desse momento que eu comecei a explorar a nutrição e suplementação como uma forma de melhorar minha performance para que pudesse curar meu corpo lesionado e melhorar meu sistema imunológico.

Dr. Loren Cordain

Dr. Cordain recebeu seu diploma de doutorado em saúde pela universidade de Utah em 1981 e desde então tem sido professor no Departamento de Saúde e Ciência do Exercício na Universidade do Estado de Colorado.

Teve inúmeras aparições na NBC, na capa do Jornal de Wall Street e do The New York Times. Dr Loren Cordain é reconhecido internacionalmente como um dos experts na dieta natural de nossos ancestrais da idade da pedra. Ele é o autor de mais de 100 artigos científicos. Sua pesquisa sobre benefícios da dieta dos homens paleolíticos para nós, paleolíticos modernos, tem aparecido em destaque nos jornais científicos, incluindo o  American Journal of Clinical Nutrition, o British Journal of Nutrition, e o European Journal of Clinical Nutrition, entre outros. O livro mais popular de Dr Cordain é o The Paleo  Diet (A dieta paleolítica), que tem sido muito aclamado pela comunidade cientifica. Seu próximo livro foi The Paleo Diet for Athletes (a dieta paleolítica para atletas), que foi publicado em outubro de 2005, trata de como a Dieta Paleolítica pode ser modificada para atletas de alta performance. Seu último livro foi The Dietary Cure for Acne (A cura da acne por meio da dieta), que está disponível em seu site em forma de Ebook.

 

Gary Taubes

Ele é o autor de Nobel Dreams (1987), (Sonhos Nobel) Bad Science: The Short Life and Weird Times of Cold Fusion (1993) (Ciência Ruim: A vida curta e tempos estranhos de fusão fria) e Good Calories, Bad Calories (2007) (Calorias Boas, Calorias Más), com o subtítulo de The Diet Delusion (2008) (A ilusão das dietas) no Reino Unido e na Austrália. Seu livroWhy We Get Fat: And What to Do About It (Porque engordamos: e o que fazer sobre isso) foi lançado em dezembro de 2010.

Nasceu em Rochester, New York, Gary estudou Física Aplicada na Universidade de Harvard e Engenharia Aeroespacial na Faculdade de Stanford (1978). Após receber um diploma de mestre em jornalismo pela universidade de Columbia em 1981, Gary trabalho para a revista Discover como um jornalista em 1982. Desde então tem escrito inúmeros artigos para a revista  Discover, Science e outras revistas. Originalmente focado em questões físicas, seu interesse nos últimos 10 anos tem mudado para medicina e nutrição.

 

Dr. Atkins

Atkins foi o principal fundadores da dieta low carb (baixa em carboidratos) nos EUA. Ele fundou o centro Atikins de medicina complementar em Manhattan, que teve 87 empregados em 1987 e onde foram tratados mais de 50.000 pacientes. Ele fundou Atkins Nutritionals (Centro nutricional Atkins) em 1998 para promover sua dieta de baixo teor de carboidratos, que gerou uma receita de mais de 100 milhoes de dólares. Ele é o autor de diversos Best Sellers como Atkins’ New Diet Revolution (A revolução da nova dieta de Atkins) em 1992, que vendeu mais de 15 milhoes de cópias, entrando na lista de livros mais vendidos da história (Por incrível que pareça,  ele é sequer mencionado aqui no Brasil) e passou mais de 5 anos na lista de mais vendidos do New York Times.

Autor de dezenas de livros:

  • Atkins, Robert C. The Essential Atkins for Life Kit: The Next Level Pan Macmillan, 2003. ISBN 0-330-43250-8
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ Diet Planner M. Evans and Company, 2003 | Vermilion, 2003. ISBN 0-09-189877-3
  • Atkins, Robert C. Atkins for Life: The Next Level New York: St. Martin’s Press, 2003. ISBN 1-4050-2110-1
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ New Diet Revolution New York: Avon Books, 2002. ISBN 0-06-001203-X. | Vermilion, 2003. ISBN 0-09-188948-0
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ New Diet Revolution M. Evans and Company, 2002.
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ Age-Defying Diet St. Martin’s Press, 2001, 2002
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ Vita-Nutrient Solution: Nature’s Answers to Drugs Simon and Schuster, 1997
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ Quick & Easy New Diet Cookbook Simon and Schuster, 1997
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ New Carbohydrate Gram Counter. New York: M. Evans and Company, 1996. ISBN 0-87131-815-6
  • Atkins, Robert C, Gare, Fran Dr. Atkins’ New Diet Cookbook M. Evans and Company, 1994 | Vermilion, 2003. ISBN 0-09-188946-4
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ New Diet Revolution M. Evans and Company, 1992
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ Health Revolution Houghton Mifflin, 1988
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ Nutrition Breakthrough Bantam, 1981
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ SuperEnergy Diet Cookbook Signet, 1978
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ SuperEnergy Diet Bantam, 1978
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ Diet Cookbook Bantam, 1974
  • Atkins, Robert C. Dr. Atkins’ Diet Revolution Bantam, 1972

A curva de carboidratos

 Este post é uma tradução livre do original, publicado no Mark’s Daily Apple.        

Esta é a curva de carboidratos do Primal Blueprint. Espero que sirva de orientação para o sucesso da sua dieta!

300g ou mais por dia – Zona de Perigo!

Dieta americana (cereal, macarrão, arroz, pão, panquecas, refrigerantes, doces, etc). Alto risco de acúmulo de gordura, inflamação, aumento no índice de diabete ou síndrome metabólica. Drástica redução nos níveis de grãos e outros carboidratos processados é crucial, ao menos que você esteja treinando para uma maratona (O que, a pesar de ser necessário para melhorar a performance, adiciona diversos riscos)

150-300g ou mais por dia– Constante ganho de peso.

Efeito constante da produção de insulina, o que impede o efeito eficaz da queima de gordura e contribui para o aumento de doenças crônicas. Esta faixa – irresponsavelmente recomendada pela USDA e autoridades americanas e agora brasileiras– pode levar ao ganho estatístico de 0,7 quilos de gordura por ano ao longo de 40 anos.

100-150g por dia- Faixa Primal de manutenção de peso.

Esta faixa, baseada no peso e no nível de atividade física, quando combinada com exercícios Primal, permite que o corpo entre em um estado de constante de queima de gordura e desenvolvimento muscular. Faixa derivada de nossos ancestrais que viviam em climas tropicais, onde havia abundância de carboidratos derivados de vegetais e algumas frutas, sem grãos e sem açúcar.

50-100g por dia – Faixa Primal para fácil e constante perda de peso.

Nesta faixa você irá minimizar a produção de insulina (hormônio que nos faz engordar) e aumenta o metabolismo de gordura. Consumo de muitas carnes, peixes, ovos, nozes, vegetais e poucas frutas. Nessa faixa você poderá perder em media de 0,5 kg a 1 kg  por semana, até atingir seu peso ideal e voltar para a faixa de manutenção Primal (100-150g)  definitivamente.

0-50g por dia– Cetose e queima de gordura acelerada.

Aceitável por alguns dias da semana, quando você quiser acelerar a perda de gordura de maneira mais rápida possível, sem comprometer sua saúde. Ideal para muitos diabéticos, mas não recomendado a longo prazo, a não ser que haja suplementação adicional.  Nesta faixa você irá consumir muitas carnes, peixes, ovos, nozes e poucos vegetais. Máximo de 1 fruta por dia.

 Nota:  O consumo de  carnes, peixes, queijos, ovos, nozes é a vontade em qualquer faixa Primal. Podemos consumir mais de 3000 calorias diárias (apesar de ser difícil consumir tal quantidade de calorias nessa dieta, pois para a maioria das pessoas 2500 já os deixam bem saciados), e ainda perder muita gordura, ou se manter magro, com o nível de gordura corporal muito baixo.

PS: Não confundam gramas de carboidratos com o peso dos alimentos, ou com calorias. Segue um exemplo:

 100g de banana (1 banana grande) = 100 calorias = 25g de carboidrato aprox.

100 gde maça (1 maça) = 60 calorias = 15g de carboidratos aprox

100g de abobrinha = 40 calorias = 9g de carboidratos aprox.

100g de batata doce = 80 calorias = 18g de carboidratos aprox

100g de batata inglesa = 70calorias = 16g de carboidratos aprox

100g de Brócolis = 25 calorias = 2,2g de proteína + 4g de carboidratos aprox.

 TOTAL= 600g = 87g de Carboidratos

Cada grama de carboidrato equivale a 4 calorias (Os 5 primeiros alimentos tem quantidade insignificante de proteínas e gorduras, por isso não incluo)

 Como podemos notar é possível consumir muitos carboidratos saudáveis (na dieta Primal não se pode consumir grãos) sem  ultrapassar o limite da faixa Primal de constante perda de peso (50g a 100g de carb) e de manutenção de peso (100 a150g de carb).

Pessoas me perguntam quantos quilos iram perder na dieta Primal.  Eu perdi 8 quilos (principalmente gordura) somente me mantendo na faixa de manutenção de peso. Acredito que a maioria das pessoas podem emagrecer muito apenas se mantendo na faixa de manutenção. Isso depende muito do nível de gordura corporal atual da pessoa, quais carboidratos ela consome e é claro em qual faixa da curva de carboidratos ela se encontra. Quanto maior o consumo de carboidratos atual, maior será a perda de peso.

Os efeitos emagrecedores dessa dieta são comprovados cientificamente e por milhares de depoimentos. Quer ver alguns? Acesse http://www.marksdailyapple.com/category/success-stories/ Mesmo que você não entenda nada de inglês, as fotos por si só já são muito inspiradoras.

 Uma boa transição Primal pra vocês!

 

 

No Carrinho: Primal Blueprint – transformação total do seu corpo em 21 dias

Hoje eu trago pra vocês uma opção de compra tão boa, mas tão boa, que vai mudar a sua vida. Mark Sisson, o autor do Primal Blueprint (criador do lifestyle Primal que eu divulgo aqui) lançou hoje  seu novo livro, chamado “Primal Blueprint – transformação total do seu corpo em 21 dias” (tradução livre).

É um guia prático e orientado para resultados, que te ensina como se alimentar, se exercitar e viver do jeito Primal. É um livro passo a passo, sem enrolação e que vai direto ao ponto, para você que quer fazer uma transição rápida para o estilo de vida Primal. Neste livro, ele te diz o que fazer todos os dias, por 21 dias, para que você assuma o controle da sua saúde para o resto da sua vida.

O que você encontra neste livro?

  •  Fotos personalizadas de quais alimentos você deve abandonar e quais alimentos Primal deve aproveitar;
  • Dicas de compras para alimentos Primal e também para jantar fora – incluindo em redes fast food, e como escolher opções Primal nestes locais
  • Receitas fáceis e rápidas para café da manhã, almoço e jantar
  • Descrição de exercícios com fotos, para que todos (mesmo os sedentários) comecem a se exercitar de acordo com o Primal Fitness.
  • Resumo dos conceitos-chave para que você possa entender completamente como e porque reprogramar seu genes para ser mais saudável, perda de peso sem esforço e maior longevidade.

O livro é em inglês, e se você consegue ler nesta língua, eu recomendo fortemente que faça esta compra. Você não vai se arrepender!! Eu li o primeiro livro do Mark, que mudou tanto a minha vida que decidi que outras pessoas mereciam o mesmo, e por isso criei este blog.

As opções de entrega para o Brasil são Amazon e Barnes & Noble,  é só clicar na foto pra comprar:

 

Para facilitar a compra de vocês, simulei os fretes das duas lojas para o Brasil, e a Amazon acaba levando vantagem:

Amazon

– entrega de 2 a 6 dias úteis: U$ 36,98 de frete

– entrega de 8 a 16 dias úteis: U$ 20,98 de frete

– entrega de 18 a 32 dias úteis: U$ 9,98 de frete

Barnes & Noble

– entrega de 1 a 4 dias úteis: U$ 41,97 de frete

– entrega de 4 a 14 dias úteis: U$ 21,97 de frete

– entrega de 7 a 21 dias úteis: U$ 18,47 de frete

Promoção

Para compras realizadas entre hoje (18) e o dia 24 de outubro, você ganha:

Na compra de 1 cópia:

1. Acesso à um exclusivo eBook de 130 páginas, onde diversos seguidores Primal ao redor do mundo compartilham seus desafios, soluções e dicas práticas de como se tornaram e mantiveram-se primal.

2. Acesso à uma entrevista exclusiva de 60 minutos com o Mark Sisson, criador do livro.

3. 10 dólares para você gastar na loja online Primalblueprint.com, que contém suplementos essenciais, livros, camisetas e outras coisas.

Ao comprar 1 ou 2 cópias, envie por email o seu comprovante do pedido para 1book@primalblueprint.com

Na compra de 3 a 7 cópias:

Todos os benefícios acima, e mais:

4. O áudio completo do Primal Blueprint, o primeiro livro do Mark, para você ouvir no seu iPod ou MP3.

5. Mais 10 dólares para gastar no primalblueprint.com, totalizando 20 dólares.

Ao comprar de 3 a 7  cópias, envie por email o seu comprovante do pedido para 3books@primalblueprint.com

Resumindo…

Compre agora!! E aproveite as promoções até o dia 24 para presentear mais alguém com esta oportunidade única de mudar para sempre a sua saúde e sua vida!

The Primal Blueprint 21-Day Total Body Transformation: A step-by-step, gene reprogramming action plan

The Primal Blueprint 21-Day Total Body Transformation: A step-by-step, gene reprogramming action plan

Se você se interessou pelo novo livro “Primal Blueprint – transformação total do seu corpo em 21 dias”, mas quer se aprofundar ainda mais no estilo de vida Primal, aproveite o frete e compre também o primeiro livro:

 Boas compras!

 P.S.: Qualquer dúvida sobre as promoções acima ou como comprar online nas lojas citadas, mande um email pra mim bruregis.machado@gmail.com

Mais do que uma dieta, uma escola de pensamento

Além da dieta Primal, existem outras dietas similares que seguem os mesmos princípios básicos, como a Paleo Diet e a Dieta da Evolução. Pensando em esclarecer um pouco mais sobre o assunto, decidi traduzir o ótimo texto de Diana Hsieh, do blog Modern Paleo, que discorre sobre as diferenças entre estas dietas e que também reflete, em parte, minha opinião sobre o assunto. O post original está aqui.

Paleo como uma escola de pensamento

Atualmente, tenho notado algumas consternações na paleosfera sobre o que constitui verdadeiramente a ideia “paleo” nas dietas. Sem dúvidas, eu tenho minhas próprias reclamações sobre o assunto. Fico irritada quando os seguidores paleo atacam gordura saturada, recomendam óleo de canola ou insistem no consumo de carnes magras. Eu não gosto quando muitas pessoas igualam paleo com baixo-carboidrato, como se batatas estivessem no mesmo barco que trigo. Eu recrimino algumas conversas sobre alimentos “processados” ou “industriais”, pois há muita informação confusa sobre esse assunto, já que os alimentos não são necessariamente mais ou menos saudáveis simplesmente pelo processamento ou pela produção em massa. Eu não estou preocupada se os homens da caverna consumiam um alimento em particular ou não.

No entanto, eu tento não me empolgar muito nas minhas discordâncias com outros defensores paleo, isso porque, no meu ponto de vista, paleo é uma escola de pensamento baseada numa ciência recente. Deixe-me explicar o que isso significa e porque é importante.
Primeiro, “paleo” é uma escola de pensamento nutricional, e não uma única dieta.

Os maiores defensores da nutrição paleo oferecem diferentes recomendações à dieta, baseados em suas próprias experiências e no seu entendimento da ciência. Nós vemos dietas particulares do Loren Cordain, Robb Wolf, Mark Sisson, etc. Similarmente, vários bloggers e consumidores paleo tem suas próprias ideias sobre melhores ou piores dietas.

A ideia de “alimentação paleo” não deve ser igualada a nenhuma destas dietas. Ao invés disso, é uma abstração baseada na similaridade entre elas. Qual é o ponto central desta similaridade? Eu identifiquei muito bem no topo dos Princípios do Paleo Moderno, que diz:

O centro do paleo é a dieta: ela evita totalmente os grãos, açúcares e óleos vegetais modernos e é favor de carnes de alta qualidade, peixe, ovos e vegetais.

Esta não é a dieta particular do Modern Paleo. Isso é o que um defensor paleo concorda e defende, primeiramente. As pessoas que discordam disso – como os que defendem baixo-carboidrado, ou os seguidores da Weston A. Price – eles simplesmente não são paleo. Claro, eles podem ser amigáveis e terem alguns conteúdos que interessam àqueles que se alimentam da dieta paleo. Mas eles não são paleo.

Basicamente, “paleo” é como uma escola de pensamento na filosofia que inclui o trabalho de muitos filósofos (como o positivismo ou o existencialismo) ao invés de seguir as ideias de um único filósofo (como Objetivismo ou Platonismo). É um grupo de ideias úteis, porque identifica coisas em comum reais e importantes, embora suas delimitações não estejam bem definidas…ainda.

Como resultado, nós não devemos esperar um entendimento perfeito entre os defensores paleo. Nós vamos discordar, ás vezes veementemente, mas excluindo aqueles que fogem ao ponto central de similaridade, todos os lados serão tão paleo como sempre foram.

Segundo, “paleo” é baseado num corpo crescente de literatura científica, e não em dogmas.

A ciência da nutrição está na sua infância, e nós ainda temos muito o que aprender sobre ele. Nas próximas décadas, nós podemos esperar aprender muita coisa. Se eu espero aprender que milho frito em óleo de soja é a coisa mais saudável do mundo? Não. Eu espero que estrutura básica paleo continue intacta. E isso não é só por causa da ciência já estabelecida hoje, mas também porque a perspectiva evolucionária na nutrição é correta e útil. Ainda sim, eu espero vários tipos de descobertas interessantes e úteis – e a visão das pessoas também vai mudar como resultado disso, assim como Dr.Cordain mudou sua visão sobre gordura saturada e óleo de canola nos últimos anos.

Se algumas pessoas paleo defenderem visões que não são garantidas por evidências científicas, os outros devem se pronunciar discordando e apontando as falhas em seus argumentos. Nós não precisamos fingir solidariedade: nós precisamos dos fatos corretos! Se as pessoas são honestas, elas irão se corrigir com o tempo. Se não, elas serão cada vez mais ignoradas – e é isso. Basicamente, eu espero que a verdade vença na comunidade paleo, porque a maioria das pessoas se importa mais com os fatos do que com o “seu lado” da disputa.

Felizmente, parece haver uma abordagem padrão – ou pelo menos isso foi exatamente o que eu vi no Ancestral Health Symposium nos debates sobre carboidratos. Esperançosamente, isso vai se replicar para os outros debates no horizonte – sobre suplementos, exercícios, gorduras, laticínios, entre outros.

Pessoalmente, eu tento ler uma variedade de fontes, fazer alguns testes comigo mesma e reportar os resultados, com a esperança de que eles serão úteis aos outros. Se isso me coloca contra alguns defensores paleo, como acontece às vezes, que seja. No final, nos acabamos nos entendendo!

Diana Hsieh é uma filósofa especializada em éticas práticas, PhD em filosofia pela Universidade de Colorado. Ela criou o blog Modern Paleo no começo de 2010.

%d blogueiros gostam disto: