Vídeos: Entrevista com Gary Taubes e Como fazer leite de coco caseiro

Temos uma novidade no blog! A partir de hoje, inauguro nosso canal no Youtube e vou começar a postar vídeos interessantes relacionados ao estilo de vida primal. Hoje vou postar dois vídeos, o primeiro é uma tradução que nós fizemos de uma entrevista com o Gary Taubes, sobre o qual já falamos aqui.  No vídeo ele fala das diferenças entre a Dieta da Zona e a dieta Primal. E o segundo é um vídeo que eu fiz sobre como fazer leite de coco em casa. Assistam que vale a pena!

Anúncios

Na Cozinha: “Brigadeiro” primal

Antes de mais nada, devo dizer que esta receita não tem a menor intenção de ser um substituto “saudável” para o brigadeiro. Explico: eu, como uma apaixonada incondicional por brigadeiro, acredito que as tentativas de imitá-lo com outros ingredientes são inválidas, pois não é possível se aproximar do sabor nostálgico do tradicional docinho de festa sem utilizar os ingredientes originais. Acho que se você quer muito comer um brigadeiro, é melhor que coma o original, tenha em mente as conseqüências disso para o seu corpo (leia-se: não abuse) e satisfaça seu desejo.

Mas, se você quer uma sobremesa que posa comer sem culpa, esta é a melhor pedida. Chamei esta receita de brigadeiro primal pela sua forma e pela possibilidade de substituir os seus desejos de docinhos por algo mais saudável. Assim, você pode comer este docinho quando tiver vontade, sem se preocupar com o impacto na balança ou na saúde. Vamos à receita!

Brigadeiro Primal

Ingredientes

  • Cobertura

4 col. de sopa de coco ralado

1 col. de sopa de cacau em pó

1 col. de sopa de farinha de coco

1 porção pequena de chocolate meio amargo picado, ou gotas de chocolate meio amargo

  • Massa

12  tâmaras sem caroço

1 col. café de café em pó

1/4 de xic. de leite de coco ou leite de amêndoas

1 e 1/2 col. de sopa de óleo de coco

3/4 de xic. de amêndoas

2 col. de sopa de farinha de coco

1 e 1/2 col. de sopa de cacau em pó

1 col. sopa de mel

1/4 de xic. de farinha de coco, a parte

Modo de preparo

1) Para a cobertura, coloque todos os ingredientes no processador até que atinjam a consistência desejada. Reserve.

2) Para a massa, você precisa misturar os ingredientes secos separadamente dos ingredientes líquidos, e depois misturar os dois. Coloque as amêndoas (você pode usar qualquer noz que deseje, ou até um mix de nozes), farinha de coco e cacau em pó no processador para criar uma massa de amêndoas. Reserve.

3) No processador, coloque as tâmaras, o leite de coco e o óleo de coco e o mel, até que fique macio e com consistência de manteiga.

4) Misture as duas partes (líquida e seca) que você processou em uma tigela e vá adicionado lentamente o 1/4 de xic. de farinha de coco, misturando com as mãos. A ideia é que a mistura fique com a consistência de uma massa de pizza, para que possa ser enrolada facilmente.

5) Atingindo a consistência desejada, enrole a massa em pequenas bolinhas e passe na cobertura até que fiquem completamente cobertas.

6) Ponha as bolinhas em um prato e leve à geladeira para que fiquem firmes. Em menos de 10 minutos elas já estão com a firmeza ideal, mas é bom mantê-las na geladeira para conservar melhor.

Agora é só se deliciar!

Gostaram? Quero saber!

Na Cozinha: Mousse de Chocolate Primal

Hoje é feriado, eba!!! Dia de dormir bastante, se exercitar e por que não, se aventurar na cozinha? E nada melhor e mais gostoso do que uma boa sobremesa, que seja saudável e que não nos deixe com peso na consciência né?

Assim que vi essa receita, corri para o supermercado e fui testar em casa… e olha, ficou muito melhor do que eu imaginava!  Os ingredientes são bem simples, o truque está no modo de preparo. Infelizmente não tenho fotos da minha receita feita em casa, mas vou colocar as da receita original. Vamos lá.

Ingredientes

– leite de coco natural, de 1 coco seco

– 100g de chocolate meio amargo (eu uso o com 70% de cacau)

Rendimento: 2 porções

Modo de preparo – leite de coco

Descobri como fazer leite de coco natural no site da Pat (link aqui). É super simples. Eu prefiro comprar e ralar o coco eu mesma, mas funciona bem com o coco ralado natural também (nada daqueles prontos que encontramos hein?)

Aqueça uma parte da casca do coco seco (pode colocar o coco na chama do fogão que dá certo), que é o onde você vai fazer o furo. Depois que já estiver quente, pegue uma faca com ponta e faça um furo na casca. Vire o coco sobre um copo, e deixe sair toda a água do coco. Reserve.

Agora é só quebrar o coco. Você pode apoiá-lo sobre um pano de cozinha, e quebrar com o martelo. Ou você pode seguir o meu método, que é um pouco tosco, mas funciona super bem! Eu coloco o coco num saquinho de plástico, dou um nó no saco e vou para a escada de emergência do meu prédio. Jogo o coco na escada e ele quebra facilmente. Aí é só abrir o saquinho e pegar os pedaços de coco, que já terão se soltado da casca grossa.

Coloque a carne do coco no liqüidificador e bata junto com a água de coco que ficou separada. Depois é só coar com uma fralda de algodão, espremendo-o até sair todo o leite. Pronto! Está feito o leite de coco! O coco ralado que sobra do processo, eu uso para fazer a panqueca de coco.

Modo de preparo – Mousse

Coloque o leite de coco preparado acima em um recipiente e deixe na geladeira por várias horas (eu normalmente deixo durante a noite, mas acho que de 4 a 6 horas já está bom). O que acontece é que a gordura do coco sobe, formando algo como um creme de leite de coco! Mais ou menos assim:

Retire esta parte com uma colher e bata na batedeira até ficar com a textura aerada de chantilly. O líquido que sobra você pode usar em vitaminas, bater com frutas ou mesmo tomar puro.

Enquanto isso, derreta a barra de chocolate em banho maria. Adicione o chocolate derretido ao creme de coco batido.

Pronto! Está feito o mousse de chocolate! Você pode deixar na geladeira para ficar um pouco mais duro, ou pode comer assim mesmo. Eu garanto que fica delicioso de qualquer jeito!

Testem e me digam se deu certo!

Na Cozinha: Sopa de abóbora moranga com coco

Oba! Mais uma receita gostosa por aqui! Prometo atualizar esta seção mais vezes… A receita de hoje é prática e rápida. Eu sou uma grande fã de sopas, tomo até no verão! Acho que é uma ótima opção quando temos poucos ingredientes e queremos uma refeição nutritiva e rápida.

Ingredientes

– 400g de abóbora moranga sem casca (aprox. 1/4 da moranga)

– Coco ralado à gosto

– 3 col. de óleo de coco

– queijo meia cura em pedaços (opcional)

– manteiga, cebola e alho para refogar

 

 

 

 

 

 

 

 

Aqueça a manteiga em um panela e acrescente a cebola e o alho. Descasque a moranga, corte-a em pedaços e coloque na panela também. Adicione água o suficiente para cobrir as abóboras e deixe cozinhar até que a abóbora fique bem macia.

Bata tudo no liquidificador. Depois, acrescente o coco ralado.  Coloque uma colher de óleo de coco no prato fundo ou no bowl que for servir a sopa, e ponha a sopa por cima, fazendo com que o óleo derreta! Se quiser, coloque pedaços de queijo meia cura por cima, fica uma delícia!! Eu gosto muito do mix de sabores desta receita, ela fica levemente doce e o queijo combina perfeitamente.

 

 

 

 

 

 

 

 

Aliás, este queijo é uma história a parte… eu encomendei o meu com o Bruno, do blog Salão do Queijo. Ele trouxe os queijos artesanais de minas, feito com leite cru e preparo artesanal! É simplesmente maravilhoso! Em breve falarei mais sobre os queijos dele.

 

 

 

 

 

 

 

 

Gostaram??

Se delicie com a gordura saturada, ela é boa para você! (parte 1)

Sim, você leu certo. Eu disse neste post que ia começar a dar detalhes sobre a alimentação Primal, e decidi começar com um dos temas mais importantes e também mais polêmicos. Isso porque, nos últimos anos, a gordura (em especial a saturada) tem sido apontada como o vilão para a sua saúde e para a sua dieta. Se você já leu alguns dos meus posts aqui no primal brasil, já sabe que nada disso é fundamentado. Mas hoje vamos saber um pouco mais porque a gordura é tão essencial para nós.

Primeiro, vamos começar classificando os tipos de gordura:

Gordura Saturada

É classificada desta maneira por não possuir ligação dupla nos átomos de carbono de sua composição química, saturando, assim, os ácidos graxos (gordos) com átomos de hidrogênio. Ela ocorre de forma natural nos animais.

Presente na gordura animal, carne, ovos, manteiga e queijos. Também encontrada no óleo de coco e óleo de palma.

 Gordura Monoinsaturada

São ácidos graxos com uma ligação dupla entre carbonos em suas moléculas.

Presente no azeite de oliva e abacate.

 Gordura Poliinsaturada

É um ácido graxo com mais de duas ligações duplas entre carbonos nas suas moléculas. Os ácidos graxos ômega 6 são ácidos carboxílicos poliinsaturados, em que a dupla ligação está no sexto carbono a partir da extremidade, nos ácidos ômega 3, a dupla ligação está no terceiro carbono.

Omega 6: óleos vegetais (óleo de soja, de milho, de canola, de girassol) e amendoim.

Omega 3: óleo de peixe e peixes de água fria.

  Gordura Trans

Os átomos de hidrogênio ficam em lados opostos da cadeia, ao contrário das outras gorduras

São considerados especiais devido à sua conformação estrutural. Nos ácidos graxos cis, que é como geralmente são encontrados os ácidos graxos na natureza, as cadeias de carbono vizinhas à dupla ligação encontram-se do mesmo lado e nos ácidos graxos trans as cadeias se encontram alinhadas.

Presente na margarina, produtos industrializados, salgadinhos e bolachas recheadas.

Muito bem, agora que você já conhece melhor os tipos de gordura existentes, resta saber qual o impacto de tudo isso na sua vida. Por que algumas gorduras são consideradas boas e outras más? Qual a verdade sobre esse assunto? Vamos começar com um pouco de história…

Há cem anos atrás, menos de 1% da população americana era obesa e doenças cardíacas eram desconhecidas. As principais causas de morte eram pneumonia, diarréia e tuberculose. Hoje, as duas causas de morte mais comuns são doenças cardíacas e câncer, responsáveis por 75% das mortes no país.

1911 – Procter & Gamble lança no mercado o Crisco, um produto derivado de semente de algodão, sendo o primeiro produto com gordura trans a ser comercializado. A empresa começou a promover este novo produto e a partir de então, os óleos vegetais foram gradualmente substituindo a manteiga e banha de porco (gordura saturada) no dia a dia das pessoas.

1913 – um fisiologista russo começa a alimentar coelhos com alimentos com alta dose de colesterol, causando aterosclerose nos pequenos animais. (Claro, coelhos são vegetarianos e não tem capacidade para digerir gordura animal, ao contrário dos homo sapiens aqui. Malditos russos!) É lançado o mito do colesterol.

1953 – Ancel Keys publica o famoso estudo dos seis países, que correlaciona as mortes de doenças cardíacas com a porcentagem de gordura na dieta. Como eu já disse aqui, dos 22 países com dados disponíveis, Ancel selecionou apenas os 6 que mostrariam os resultados que ele queria.

O estudo de Keys com os 6 países que ele selecionou

1977 – O Comitê de Nutrição e Necessidades Humanas dos EUA lança o “McGovern Report” onde estabelece “metas de alimentação para os Estados Unidos”, com o objetivo de reduzir o consumo de gordura e evitar alimentos com alto índice de colesterol. Essas metas se tornaram a política oficial do governo.
 
 1984 – O Centro de Ciências para o Interesse Público, que defende os interesses do consumidor, forçou as redes de fast-food a pararem de cozinhar com gorduras animais e óleos tropicais (gordura saturada). Na época, o  McDonald’s fritava suas batatas com a gordura da carne e óleo de palma, por isso as batatas eram tão saborosas.  Mas depois do ataque do Centro de Ciências, o McDonald’s e outras redes foram obrigadas a adotarem as gorduras parcialmente hidrogenadas e óleos vegetais com gordura trans.
 
1992 – O departamento de agricultura dos EUA publica a Pirâmide Alimentar. A pirâmide reúne os alimentos em seções, e traz a mensagem de que gorduras fazem mal e que carboidratos são saudáveis. Por isso, as porções de carboidratos são as maiores (de 6 a 11) e a de proteínas (2 a 3) e gorduras (usar moderadamente) são limitadas.
1980 a 2011 – desde 1980 até hoje, o departamento de agricultura e o departamento de saúde e serviços humanos dos EUA publicam a cada 5 anos, uma atualização do Guia de Alimentação para Americanos. O mais recente, publicado em dezembro de 2010, recomenda reduzir a ingestão de gordura saturada para 7% do total de calorias, reduzindo 3% desde a última recomendação.
 
Como vocês puderam ver, a demonização da gordura foi resultado da manipulação de alguns estudos, conclusões tendenciosas de outros e artimanhas das grandes empresas para vender seus produtos. No próximo post, vamos olhar com atenção para algumas evidências que mostram exatamente o oposto do que tem sido falado ultimamente.

Na Cozinha: Panqueca de Coco

Hmmmm… essa receita eu inventei há pouco tempo, mas já estou viciada!! Na minha transição para a alimentação Primal, o mais difícil de eliminar foi o pãozinho no café da manhã! Eu sempre gostei de algo quente e que me alimentasse logo cedo, mas o omelete tradicional me parecia um pouco enjoativo… por isso, resolvi testar essa receita e deu super certo! O segredo aqui é colocar bastante coco, porque assim o gosto do ovo fica bem suave (o gosto forte do ovo é justamente o que eu não gosto de manhã!).

Ingredientes:

– 1 ovo (orgânico, de preferência)

– aprox. 5 col de sopa de coco ralado

Modo de preparo:

 Bata o ovo com um batedor de ovos ou com um garfo.

Adicione o coco e misture.

Se a mistura ficar muito líquida, coloque mais coco.

 

Aqueça uma frigideira com manteiga ou óleo de coco, e com uma colher ou uma concha pequena, coloque um pouco da “massa” no centro da frigideira. Espalhe para ficar com a forma redonda. Quando as bordas começarem a soltar, vire a panqueca. Eu gosto de fazer uns furinhos na massa enquanto a massa cozinha e apertar com a espátula, para cozinhar bem o ovo que tem dentro. (A clara do ovo mal cozida não é legal e pode te dar dor de barriga)

Pronto! A receita faz duas panquecas.

Toppings:

Você pode colocar diferentes toppings na sua panqueca. Eu gosto de colocar mel e canela, blueberries (como a da foto), morangos, bananas ou até derreter um pouco de chocolate meio amargo e colocar por cima!

Façam e me contem se gostaram!

%d blogueiros gostam disto: